domingo, 9 de fevereiro de 2014

Como um crepúsculo






Eis que um dia contemplei o explendor do sol....
Abri os olhos e ele estava no céus
Quente, cintilante, tocante
Maravilhado deixava todo meu ser sentí-lo
Era confortante
O tempo passava e a sensação se tornava interessante
E cada vez entrando profundamente
Em minha alma
O tempo passava e o desejo de entender aumentava
Entender como não havia visto ele antes
E como aquela sensação era intensa

O tempo passava
E distraido com todo o maravilhar
Não percebia o direcionamento ao poente
Não via a escuridão me cercando
Apenas aquela entorpecida sensação fervilhava em meu ser
Eis que olhando para as alturas tropiquei e fui perceber
Ele lentamente sumia no horizonte
Cada vez, a frieza era maior
E a distância mais longa

Independia do correr, independia da vontade de alcançá-lo
O crepúsculo era inevitável
A incerteza de aproveitar os últimos momentos era grande
Até que meio as sombras do horizonte ele sumiu
E meu olhar orfão permaneu contemplando as trevas
No leito profundo da memória
Ele estaria vivo, mas nunca mais outro dia como aquele  existiria.


Fevereiro 2014


Nenhum comentário:

Postar um comentário