domingo, 9 de fevereiro de 2014

Best of 2012

Com quase dois anos de atraso e já pronto desde janeiro de 2013 eis os álbum que mais gostei em 2012:



1. Arkhamin Kirjasto - Torches Ablaze
Nunca a mistura de Heavy e Death Metal foi tão interessante, e ainda umas pitadas de psicodelia 70ista. Riffs cativantes, teclados de outro mundo tornam a audição bastante interessante. Detalhe, não é Death Metal com influência heavy é heavy metal com vocais guturais.



2. Kreator - Phantom Antichrist
Parece que o Kreator conseguiu. Desde 2001 eu não ouvia um disco deles que soasse interessante, mas este surpreendeu. Mesmo que as influências suecas permeiem o disco existem bons momentos e coisas bastante inspiradas. O uso de coros em “From flood to fire” ficou fantástico. Além de alguns solos bastatante inspirados. Para quem espera um Kreator anos 80 esqueça, há muito eles navegam por outras águas.


3. Moonspell - Alpha-Omega
“Os Moonspell” continuam sua trilha através de seu híbrido de Gothic, Heavy, Black y otras cositas mas. E desta vez em dose dupla. Ambos pesados, mas de maneiras diferentes. Alpha é a faceta mais extrema e agressiva, onde faixas com “Em nome do medo” e “Axis Mundi” reinam supremas. Já Omega é o gótico que sempre permeou os álbuns da banda.


4. Ex Deo - Caligvla
E o regimento romano perdido pelo Canadá chegou para ficar. Otimizando a sonoridade desenvolvido no álbum anterior. Destaque para a fabulosa "Per Oculus Aquila"


5. Marduk - Serpent Sermon
Parece que 2012 foi o ano do Marduk, aos meus ouvidos. Finalmente a formação com Mortuus apresentou um disco a altura de “World Funeral”. Mortuus realmente gosta de utilizar sua demência e criar algo único com suas cordas vocais, me lembra o Atilla Czar (Mayhem). Inclusive percebe-se algumas influências de novas bandas de black metal. Mas enfim é satânico, é blasfêmico, é experimental, é violento é Marduk e pronto. No prisioners taken.


6. Alcest - Les Voyages De L'Âme
Melancolia e beleza são duas palavras que descrevem perfeitamente este álbum. Naige conseguiu, sem sobra de dúvidas é um disco lindo. Calmo e tranquilo, considero difícil destacar faixas.


7. Asphyx - Deathhammer
“This is real Death Metal you bastards !!!” o que esperar quando a faixa título já vomita de cara pra que o álbum veio. São raras bandas que mantém a devoção ao estilo e mostram o dedo do meio a tendências e mercados. Veteranos do Death Metal holandês.


8. Katapheros – Life
Esta banda deveria ser considerada a revelação do ano. Com uma sonoridade inspiradíssima na cena grega dos anos 90 e é claro unindo isto a sua criatividade, temos uma mistura da melodia com o extremo.


9. Krisiun – The Great Execution
É difícil não dizer coisas boas sobre o Krisiun. A banda parece que finalmente chegou ao topo de sua transição musical (ou será que apenas está começando?), iniciada há alguns anos atrás. Parece que tudo foi otimizado aqui. Desde a participação do grande Marcello Caminha e de João Gordo, até a musicalidade em si. E o detalhe fundamental, você ouve e sabe quem está tocando

 
10. The Hate Embrace – Domination.Occult.Art
Death metal bem inspirado. Um misto da cultura egípcia com o Death Metal. Interessantes cadências e ótimas ideias. Destaque para “Abyss of Apopis”.


11. Pylla C14 – Cyclus
E demorou, mas a lenda gaúcha finalmente mostrou sua nova cria. Mesclando composições nova e antigas com nova roupagem. É um disco parte fácil, parte difícil, pois ele não é algo que se compreende na primeira ouvida. Com raízes no rock pesado, o disco navega por várias direções e experimentalismos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário