sábado, 18 de junho de 2016

Toda Mulher é uma Estrela




 "Nós de Thelema dizemos que
“Todo homem e toda mulher é uma estrela”.
Nós não enganamos nem bajulamos as mulheres;
nós não as desprezamos nem abusamos delas.
Para nós uma mulher é Ela Própria,
absoluta, original, independente, livre,
justificada por si, exatamente como é o homem.

Nós não ousamos impedir a Sua Ida,
como Deusa que ela é!
Nós não arrogamos quaisquer direitos sobre a vontade Dela;
nós não reivindicamos nem desviamos o desenvolvimento Dela,
nem induzimos os desejos Dela
nem determinamos o destino Dela.
Ela é o Seu próprio juiz...

Nós não A queremos como uma escrava;
nós A queremos livre e real,
quer Seu amor combata a morte em nossos braços à noite
ou Sua lealdade cavalgue de dia ao nosso lado
na Incumbência da Batalha da Vida.

“Que a mulher seja cingida com uma espada perante mim!”

“Nela está todo o poder concedido”."

por Aleister Crowley em Comentários do Livro da Lei

Suícidio !!!



"Sumariamente algumas pessoas são mais propensas à autodestruição. Degeneram por condições genéticas, pelo histórico de vida e por forças coercitivas externas, como o nível de ajuste e integração social (segundo Durkheim). Pessoas que se sentem abandonadas ou inadequadas frequentemente pensam em suicídio; Pessoas que tem pouca tolerância às frustrações também são acometidas por tais pensamentos. E pessoas que estão enfrentando crises pessoais (dívidas, vícios, doença, depressão, humilhações, problemas com a lei) são mais propensas a pensar em abreviar a vida."

Retirado de: http://dissectionmemorial.blogspot.com.br/2014/11/por-que-o-suicidio.html

quarta-feira, 15 de junho de 2016

A doce e fria noite eterna




Noite, você que me cobre com seu manto
Para que, eu seu filho, fique longe dos olhos que ferem
Seu brilho me encanta minha princesa
Em noites de solidão
Quando o amargo gosto da desilusão em minha boca queima
Doce é o seu beijo que faz esquecer
Quando o coração de seu filho esta ferido

Suaves e tenras são suas carícias
Que alivia a angústia
Frios e gélidos ventos apagam o fogo de minha ira
Pois você ouve meus clamores
Tranquilidade reflete-se em meus olhos
Enquanto olho para os seus
Pois um dia seremos um
Minha doce e fria noite eterna

Karl Heinrich   (12/06/08)




 

sábado, 9 de abril de 2016

Watchers

Sou como um monolito
que mesmo 
tempos bons e ruins recaim sobre mim
apenas minha superfície desgasta

a estrutura permanece
e assim será
contemplando sempre o horizonte fraturado
e deixando verter
tempestastes de lágrimas
por ver mais 
e além do que muito olhos cegos enxergam
mas sempre num 
silêncio pétro.


sexta-feira, 8 de abril de 2016

A morte absoluta (Manuel Bandeira)














Morrer.
Morrer de corpo e de alma.
Completamente.

Morrer sem deixar o triste despojo da carne,
A exangue máscara de cera,
Cercada de flores,
Que apodrecerão – felizes! – num dia,
Banhada de lágrimas
Nascidas menos da saudade do que do espanto da morte.

Morrer sem deixar porventura uma alma errante...
A caminho do céu?
Mas que céu pode satisfazer teu sonho de céu?

Morrer sem deixar um sulco, um risco, uma sombra,
A lembrança de uma sombra
Em nenhum coração, em nenhum pensamento,
Em nenhuma epiderme.

Morrer tão completamente
Que um dia ao lerem o teu nome num papel
Perguntem: "Quem foi?..."

Morrer mais completamente ainda,
– Sem deixar sequer esse nome.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Num mundo de pessoas rasas, aprofundar-se é insanidade

Com o tempo nós vamos percebendo que nos pequenos detalhes estão as singularidades de cada pessoa com quem nós nos relacionamos na vida. Algumas pessoas passam, outras ficam. Algumas pessoas somam, outras somem. Muitas delas deixam um pouco de si, mas sempre levam um pouco de nós com elas também. Algumas dessas pessoas simplesmente não conseguem sentir a menor preocupação pelo outro e não sentem o mínimo de remorso por isso.

Egoísmo eu diria, mas eles preferem chamar de liberdade. Essas pessoas pouco sabem sobre o amor e sabem muito bem brincar com o coração alheio sem dor ou culpa. Apatia eu diria, eles preferem chamar de amor-próprio.

Quando passamos muito tempo num longo e doloroso hiato, a recuperar das dores provocadas por um corte profundo ou quando temos uma faca no peito cravada por alguém que julgámos ingenuamente um dia ter algum sentimento verdadeiro quando na verdade era apenas uma pessoa incapaz de se colocar no lugar do outro ou sentir o mínimo de empatia, fica cada vez mais difícil entregar-se a uma nova relação, pois começamos a conhecer a pior parte do ser humano e as suas peculiaridades.

Algumas pessoas são completamente indiferentes e, mesmo quando dizem que preferem a sorte e segurança de um amor tranquilo, na verdade não percebem quando ele chega, nem mesmo quando está bem à frente do seu nariz, abrindo-lhes um sorriso largo e convidando-as para viver, para serem felizes! Então porque tanta gente se nega a sentir? Simplesmente pelo facto de que é muito mais fácil viver na incerteza. Será que aquela pessoa gosta mesmo de mim?

  

A incerteza é que os motiva a buscar sempre o mais difícil, aquele que não se importa. É como um desafio e todo mundo gosta de um bom desafio. Quando encontram alguém que é tudo aquilo que elas pedem nos seus sonhos, o que elas fazem? Simplesmente não acreditam e fogem por achar que é impossível existir alguém assim, que se entrega completamente àquilo que acredita, então não aceitam o amor simplesmente por acreditar que não o merecem.

A verdade é que ninguém surge na nossa vida por acaso, se essa pessoa apareceu na tua vida, porque é que tu serias menos merecedor de viver isso plenamente? Aceita esse sentimento que tu achas que não mereces para poderes viver aquilo que tu mereces viver. Até Alice se atirou e no mínimo viveu uma aventura digna de uma boa história, que foi contada por gerações e gerações. Porque é que contigo seria diferente? Larga o medo, segue o coelho e joga-te no escuro. Ele pode ser o teu melhor caminho (ou não).

Se for um erro, transforma aquilo que aprendeste nos teus melhores acertos e cria a tua própria história, ela pode não ter glória, mas terá emoção! Ninguém vai adivinhar o teu pensamento e nessa falta de interesse tu podes acabar por perder alguém de valor, não esperes o outro desistir de tentar para perceberes isso. Então, não deixes passar quem se preocupa contigo e não dorme enquanto não te deseja boa noite, pelo simples facto de que sim, essa pessoa gosta de ti e não tem medo ou vergonha de demonstrar isso.

Num mundo de pessoas rasas, querer aprofundar-se em qualquer tipo de relação é insanidade mental, quase um crime! Invejo as pessoas que conseguem ser imunes à gentileza alheia, pois elas passarão sem nenhum arranhão pela vida. Eu que sou puro coração, passarei com feridas profundas e carregando um coração na mão, dando amor a quem quiser receber, porque é tanto sentimento que transborda em mim que me recuso a vivê-lo pela metade, sem me afogar na imensidão do outro.

Texto: Carla Moura

sábado, 28 de novembro de 2015

Where the pain starts



"A mente retém as recordações
dolorosas por uma razão:
Para que não voltemos a cometer
os mesmos erros.
Dizem que se regressar de onde
começou essa lembrança
e observar o local...
...pode se libertar da dor
e esquecer."